Tiveram início no dia 2 de agosto os trabalhos da Empreitada de Reabilitação e Reforço Estrutural do Aqueduto dos Pegões, adjudicados à empresa STAP – Reparação, Consolidação e Modificação de Estruturas S.A. pelo valor de 308.860,71€ + IVA e com um prazo de execução de 180 dias.
 
O Aqueduto de Pegões, com uma extensão superior a 6 km, é no troço do Vale dos Pegões, entre as vulgarmente designadas “Mãe-de-Água” ou “Casa de Decantação”, cuja finalidade é promover a decantação da água em transporte, com uma extensão de aproximadamente 400 m que atinge o seu maior expoente, sendo composto por um conjunto de 60 arcos de volta inteira que, na zona central, de arcaria dupla, se apoiam em 17 arcos quebrados, apoiados em pilares atingindo uma altura máxima de cerca de 30m.
 
A construção do aqueduto remonta a finais do séc. XVI, princípios do séc. XVII, tendo sido mandado erigir por D. Filipe I, para abastecer de água o Convento de Cristo.
O aqueduto encontra-se classificado pelo IGESPAR como Monumento Nacional desde 1910.
 
Não obstante se tratar de um Monumento Nacional, cuja gestão e conservação é da competência do IGESPAR, o município preocupado com a degradação de algumas zonas do aqueduto e o elevado risco de ruína de algumas das colunas, adjudicou em 2016 um conjunto de estudos e o levantamento geométrico do troço entre as duas casas de decantação, incluindo ensaios dinâmicos, caraterização de patologias e desenvolvimento de projeto de reforço estrutural do mesmo. Estes estudos foram realizados no âmbito de protocolo estabelecido com a Faculdade de Arquitetura de Lisboa, a empresa FUNDEC e o gabinete Arquitetando, Lda.